A vocação que não obteve sucesso

“A vocação é um dom e a boa vontade inicial, sem ajuda divina, não é suficiente para perseverar.” Esta afirmação é de Vicente Artuso, Doutor em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, autor do artigo de mesmo nome e que achei oportuno resenhar aqui no Areópago.

Não é difícil constatar, sobretudo nos Evangelhos, de que há muitas vocações correspondidas e não correspondidas. Não foram poucos os discípulos que seguiram Jesus, mas acabaram voltando atrás por falta de compreensão do seguimento. Entre tantos casos, há um bem conhecido: o jovem rico.

A estrutura do relato em Mt 19,16-22 segue assim:

  1. Iniciativa: alguém (jovem) se aproxima de Jesus (Mt 19,16a).
    Pergunta: “Mestre que farei de bom para obter a vida eterna?” (Mt 19,16b).
  2. Resposta de Jesus: apresenta as condições para obter a vida: “Se queres entrar para a Vida observa os mandamentos” (Mt 19,17).
  3. Pergunta do jovem: “Quais?” (Mt 19,18a).
  4. Resposta de Jesus: apresenta os mandamentos (Mt 19,18b-19).
  5. Insistência do jovem: “Tudo isso tenho guardado. Que me falta ainda?” (Mt 19,20).
  6. Resposta de Jesus: apresenta as condições para o seguimento: “Se queres ser perfeito, vai, vende o que te pertence e dá aos pobres e terás um tesouro nos céus e depois segue-me” (Mt 19,21).
  7. Reação negativa do jovem: saiu sem dar uma resposta: “O Jovem ouvindo a palavra, partiu entristecido. Era de fato possuidor de muitas propriedades” (Mt 19,22).

A figura do jovem

A narrativa mostra uma figura possivelmente influente, com uma popularidade positiva. O jovem era bem visto na sua sociedade pela sua boa conduta e observância dos preceitos religiosos. Pode-se pensar que este, já tão cheio de méritos, tenha procurado Jesus buscando o estrelato, exibindo a si mesmo e buscando se tornar um bom exemplo. Em Mc 10,21 o evangelho diz que Jesus o fitou e o amou. De certo Jesus sabia que o jovem falava a verdade sobre sua reputação e seu zelo por seguir os mandamentos. Mas uma coisa faltava. Bastava mais uma coisa para ser “perfeito”. Algo possível, mas que exigiria bastante daquele jovem: “vai, vende o que te pertence e dá aos pobres e terás um tesouro nos céus e depois segue-me”.

Além de obedecer a lei, era preciso seguir Jesus. E não se pode seguir a dois senhores ao mesmo tempo – a Deus e ao dinheiro – pois odiará mais um e amará mais outro (Mt 6,24). O jovem possuía muitos bens, tinha uma boa vida, e sabia como vivia os pobres e excluídos de seu tempo. Em seu pensamento, muito preso no material, não percebeu que haveria prêmio maior no por vir. Mesmo na pobreza, nada faltaria, pois “quem troca pai e mãe, casas e bens, por causa do Evangelho, recebe muito mais ainda nesta vida” (Mc 10,29-30).

Ter ou não ter bens?

Claro que se pode vender tudo o que possui e, depois, seguir o Mestre, mas é importante entender que esse não é o único caminho. Não há problema algum em ter bens, fruto do trabalho de cada operário. Problema é quando os bens passam a ter importância maior que pessoas, por exemplo. Esses bens foram um grande empecilho para aquele jovem, a ponto de o fazer não corresponder ao chamado de Deus, recusando a vocação que o próprio Senhor o confiou. Em outras palavras, sua salvação estava em risco. O remédio último para o seguimento era este, se desfazer dos bens. Um remédio amargo, que o podia curar, mas que foi negado.

Mesmo vivendo as virtudes colhidas na observância das leis, sem a perspectiva do amor nada se constrói. Os mandamentos possuem implicações que passam pelo social, sob a ótica do amor ao próximo. Talvez tenha sido bem aqui a queda de um jovem tão virtuoso, mas igualmente ganancioso pela matéria. Ele não compreendeu que, para não matar, era necessário defender e promover a vida. Não entendeu que, para não cometer adultério, era necessário viver uma única aliança. Ele não entendeu que, para não roubar, era necessário defender o direito do outro… para não levantar falso testemunho, necessário proclamar a verdade…

A lei, sem o amor, não serve

Nas palavras do Papa Francisco, a lei sem o amor não vem da fé1. Uma lei que não gera vida, aprisiona e limita o bem. A comodidade em que o jovem rico vivia o deixava neutro diante das dificuldades alheias. Era um contato quase que superficial com Deus, que não passava pelo irmão, imagem e semelhança do mesmo Deus. Quando Jesus, por fim, o alerta, o silêncio e a tristeza tomaram conta do íntimo daquele jovem, pois onde está o seu tesouro, ai está também seu coração (Mt 6,21).

Dessa forma, o fracasso do jovem rico não está na falta da observância da lei, mas está na falta de amor.

O desejo pelo dinheiro, pelo poder e todos outros bens perecíveis podem ser o início da tragédia humana. Um risco à salvação no ontem, no hoje e possivelmente sempre. Por isso mesmo uma vocação não tem forças em si mesma, precisará sempre da graça para se desenvolver e não voltar atrás.

A bolsa de valores do Céu

De novo o Papa Francisco nos coloca em atenção e reflexão de como temos sido bons administradores do bem comum:

Com frequência – observou o Papa – ouvimos “tantas desculpas” das pessoas que passam a vida acumulando riquezas. Da nossa parte, disse Francisco, “todos os dias” devemos nos questionar: ‘Onde é o teu tesouro? Nas riquezas ou nesta administração, neste serviço pelo bem comum?”

“É difícil, é como brincar com o fogo! Muitos tranquilizam a própria consciência com a esmola e dão o que sobra. Isso não é ser administrador: o administrador pega para si o que sobra e dá tudo aos outros. Administrar a riqueza é um despojar-se continuamente do próprio interesse e não pensar que essas riquezas nos darão a salvação. Acumular sim, tudo bem; tesouros sim, tudo bem, mas os que têm preço – digamos assim – na “bolsa do Céu’. Ali, acumular ali!”2

Papa Francisco
Notas
1) Visto em <http://www.radiovaticana.va/proxy/portuguese/noticiario/2015_06_19.html#Art_1152604, acessado em 23 de agosto de 2020.
2) Visto em <http://www.gaudiumpress.org/content/68297-A-lei-sem-amor--nao-vem-da-Fe--nao-traz-alegria--diz-Papa-Francisco--em-homilia> acessado em 23 de agosto de 2020.
Referência
Visto em <https://periodicos.pucpr.br/index.php/pistispraxis/article/viewFile/12911/12239>acessado em 23 de agosto de 2020.

Separamos outros artigos que talvez possa interessar

Advento

Estamos nos aproximando da festa do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo. Para bem festejarmos esta importante festa cristã, é preciso que

Continue a Leitura »

3 respostas em “A vocação que não obteve sucesso”

Bruno, esse texto me lembra um dos itens do EE de S. Inácio, quando ele diz: “O homem é criado para louvar, reverenciar e servir a Deus… E as outras coisas sobre a face da terra são criadas para o homem, para que o ajudem a atingir o seu fim (louvar, reverencias e servir a Deus), donde se segue que há de usar delas tanto quanto o ajudem a atingir seu fim, e há de provar-se delas tanto quanto dele o afastem. Ou seja, devemos deixar de lado o que nos afasta de Deus, e usar de tudo o que nos aproxima Dele. Obrigado pela partilha.

Muito feliz o comentário sob a perspectiva do amor, das obras e da graça!!
Tenho comigo q o jovem voltou … para seguir a Cristo, quem conhece a Cristo não O deixa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *