Do que era dividido, fez uma unidade?

Areopago-Irineu-Do-que-era-dividido-fez-uma-unidade
Você pode também escutar esta crônica na voz de “Gilberto Macedo”

Tristeza e chateação diante do que acontece atualmente em relação às críticas cerradas contra a Campanha da Fraternidade 2021. Sob o argumento de defesa total da verdadeira doutrina católica, alguns grupos insistem em encontrar razões “escondidas” para atacar frontalmente “a catequese do Papa Francisco e da maioria dos bispos do mundo e do Brasil, desprezar os teólogos com muitos anos de estudo, chamando-os de comunistas” e por aí segue o rosário de acusações e conceitos extravagantes. Infelizmente, há alguns incentivadores do clero que abertamente apoiam e dão razão a tal posicionamento.

Parece até que não leram nenhum documento do Concílio Vaticano II que foi assinado por três mil bispos. Os documentos produzidos e aprovados no Concílio (1962 a 1965) parecem não ter nenhum valor. Pelo contrário, fizeram aquela leitura enviesada por preconceitos arraigados fortemente em sua formação e propagam o fruto da distorcida visão.

Essa avaliação, com a qual concordo plenamente, corresponde ao que pensa e publicou o Padre Zezinho a respeito do conturbado assunto. Não desejo polemizar para que não vire aquela chatice já conhecida de informações sobre “quem” e “como” ditou as regras para a elaboração do pensamento da Campanha da Fraternidade e, o mais intrigante, o que é valorizado fora do que interessou ao lema, como determinante para a total condenação da Campanha. Pior ainda, propõem uma atitude contrária dos fieis católicos para que frustrem a arrecadação estipulada para as obras sociais da Igreja.

A Campanha da Fraternidade 2021 é Ecumênica. O tema proposto é “Cristo é a nossa Paz: do que era dividido fez uma unidade” (Ef 2,14a) e o lema “Fraternidade e diálogo: Compromisso de Amor”.

Escrevo, no entanto, sobre outro assunto. Vou dar uma de chato. Sim, costumo brincar e repetir que se tem como definir uma pessoa chata é aquela que quando perguntada “como vai?” Explica minuciosamente tudo o que está vivenciando no que tange à saúde, às dificuldades financeiras ou situação amorosa; ou, então, aquela que gosta de detalhar um filme (filme não se conta, não dá para mostrar a paisagem, a expressão das personagens, a música de fundo, o foco da luz) descrevendo até a cena final quando o protagonista, infelizmente, morre. E tem gente que conta e derrama lágrimas. Decerto esperando sensibilizar a quem está ouvindo e, não contente, ainda pergunta: “Você não achou interessante?”

Não, não se trata do final de um filme.

É a última página da autobiografia de São Gregório de Nazianzo, um grande teólogo dos tempos da Patrística. Os Três Grandes Capadócios ou Padres Capadócios, como aprendemos nas aulas ministradas pela grande mestra Maria Freire da Silva, foram expoentes do seu tempo. O principal mérito desses Pais da Igreja foi o de explicar o dogma da Santíssima Trindade. Sim, eles conseguiram formular teologicamente e levaram à consolidação no II Concílio Ecumênico de Constantinopla (381) e à elaboração do Credo Niceno-Constantinopolitano. É o credo que professamos até os dias de hoje. São Gregório de Nazianzo, São Gregório de Nissa e Basílio de Cesareia formam o trio conhecido como os três luminares do Oriente.

De São Gregório de Nazianzo, memorizei um pequeno e grande texto:

Primeiro purificar-se, depois purificar;
Primeiro deixar-se instruir pela sabedoria, depois ensinar;
Primeiro ser luz, depois iluminar;
Primeiro achegar-se a Deus, depois elevar os outros até Ele;
Primeiro ser santo, depois santificar.

São Gregório de Nazianzo

Na última página encontramos:

“Continuamente o Santo Bispo pede ajuda a Cristo, para se erguer e retomar o caminho. Portanto, Gregório sentiu a necessidade de se aproximar de Deus para superar o cansaço do próprio eu. Experimentou o impulso da alma, a vivacidade de um espírito sensível e a instabilidade da felicidade efêmera. Para ele, no drama de uma vida sobre a qual pesava a consciência da própria debilidade e da própria miséria, a experiência do amor de Deus sempre teve a supremacia. Tens uma tarefa, alma, diz São Gregório também a nós: a tarefa de encontrar a verdadeira luz, de encontrar a verdadeira altura da tua vida. E a tua vida é encontrar-te com Deus, que tem sede da nossa sede.”

E eu e você?

Temos nos dedicado a olhar para o alto buscando alcançar a estatura da nossa vida?

Não olhemos para baixo!

Embaixo pode ser causa de tristeza e chateação!

Separamos outros artigos que talvez possa interessar

7 respostas em “Do que era dividido, fez uma unidade?”

Irineu,
Excelente texto, mais uma vez deparamos com críticas negativas à Campanha da fraternidade!
Sabemos que as Campanhas procuram abordar problemas do momento em prol de um entendimento para construção de um consenso mais humanitário e de justiça social e que nem sempre são aceitos por todos , infelizmente!
Um abraço com carinho.
Fique com Deus!

Tenho que buscar Deus, antes de qualquer atividade. Meu pároco nos orientou para que, em todas as manhãs, na primeira oração, invocar o Espírito Santo. Após, sim, iniciamos o nosso dia. Assim tenho feito e, frutos tem aparecido. Parabéns pelo artigo.

A igreja vem deixado dúvidas quanto à verdadeira unidade. A prova disso é cf… Estamos divididos, uns estão do lado dos abortistas, dos corruptos (da inverdade) e por outro lado os que defendem a Fé estão sendo considerados os “anti-cristos”, há inversão de valores . Acorda Igreja!

Parabéns senhor Irineu, também já ouvi vários comentários sobre a campanha da fraternidade desse ano…
Lamentável 😔😔😔

Parabéns caríssimo amigo!
Já ouvi vários comentários negativos sobre a campanha da fraternidade deste ano! Parece que alguns irmãos não são capazes de entender que os temas desta campanha tenta mostrar todas as injustiças e necessidades do momento, assim como em anos anteriores! Abraços fraternos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.