O temperamento de Pedro: do caos à glória

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Areopago-Bruno-Temperamento-Pedro-2

O apóstolo Pedro, líder natural do grupo dos doze, dispensa apresentações. Quem que não conhece ou nunca ouviu falar do nosso rabugento mais querido e especial de toda a história do cristianismo? Pelo menos eu o tenho assim…

Lembra comigo

Simão, nome anterior à sua adesão ao projeto de Jesus Cristo, foi um homem de cultura simples que, de acordo com o Evangelho de Lucas, era empresário do ramo da pesca, com o seu próprio barco e pessoas pescando com ele (Lc 5,3ss). Foi casado e – informação importante – morava com a sogra! Inclusive a primeira cura de Jesus no Evangelho de Lucas vai acontecer justamente com a sogra de Simão (Lc 4,38-39). — [Não farei piada com sogra porque provavelmente a minha vai ler este artigo. Beijo Odezia!] — Seu irmão André – um dos caras mais legais do grupo dos doze – era discípulo de João Batista, passando a seguir Jesus por indicação do próprio João. Mas, antes, André vai ao encontro do irmão e diz: “Encontramos o Messias”. Simão não titubeou e foi com André se encontrar com Jesus. Nesse encontro rolou uma troca de olhares daquelas que se vê a alma do cidadão. Logo em seguida Jesus acolhe Simão, mudando imediatamente o seu nome para Pedro (Kephas) que quer dizer ‘pedra’, dando a entender que ele seria então a rocha firme, a base para o apostolado de Jesus (Jo 1,40-42).

As presepadas de Pedro (caos)

Logo após o encontro marcante de Pedro com Jesus, Pedro abandonou tudo para seguir o Mestre, passando a acompanhar Jesus em toda a sua vida pública.

Mas agora eu convido você, caro leitor, sem a maquiagem romântica daquilo que os apóstolos ainda serão, após Pentecostes, a adentrar na esfera humana desses homens que foram chamados, escolhidos a dedo, para testemunharem a vida de Deus na terra. E hoje o escolhido é justamente o nosso querido Pedro!

Sobre a rápida biografia que recordamos de Pedro, faltou dizer que ele era do tipo impulsivo: fala – e faz – o que vem à cabeça. Eu diria que Pedro é do tipo italiano, explosivo, fala com as mãos, tom de voz alta… tá bom, parei, estes últimos atributos é como eu o imagino. No entanto, por ser assim, direto e sanguíneo, Pedro deu algumas “bolas fora” durante o seu discipulado. E esse artigo foi redigido, não para criticar o nosso personagem, pelo contrário, mas para evidenciar a humanidade do Apóstolo, mostrando com o seu exemplo que eu e você também erramos, temos limitações, mas pela graça de Deus podemos ser transformados e transformadores. Vamos então a algumas dessas “bolas fora”, intercambiando com a sombra do homem novo que começa a despontar.

Pedro, o corajoso (Pt1)
jesus caminha sobre as águas (Mt 14,22-33)

Depois do milagre da primeira multiplicação dos pães, Jesus quis rezar sozinho, por isso despachou a gurizada e subiu no monte. Os discípulos se anteciparam pelo caminho e estavam, na alta madrugada, no meio do mar, quando uma ventania agitava as ondas ao redor do barco. No meio de todo aquele caos, Jesus aparece caminhando sobre as águas em direção ao barco. Claro que, de longe, a galera toda ficou ouriçada, imaginando que estavam vendo um fantasma. Jesus percebendo o enredo, diz: “Tende confiança, sou eu, não tenham medo.” Então Pedro – o cara – respondeu de volta: «Senhor, se és tu mesmo, manda-me ir ao teu encontro, caminhando sobre a água.» Jesus não perdeu a oportunidade: «Venha.» Pedro desceu da barca, e começou a andar sobre a água. Até aí beleza. Mas quando sentiu o vento, ficou com medo, começou a afundar e gritou: «Senhor, salva-me.» Jesus logo estendeu a mão, segurou Pedro, e lhe disse: «Homem fraco na fé, por que você duvidou?»

Hermeneutizando: Sentir medo faz parte. Mas o medo não pode te paralisar, pondo dúvida em tudo o que você construiu até aqui. Mesmo que isso aconteça, é só gritar por ajuda que Jesus estende a mão.

Pedro, o sabe tudo
1° Anúncio da Paixão (MT 16,21-23)

Jesus não escondeu sobre os acontecimentos futuros: que deveria ir para Jerusalém, sofrer muito, ser morto e ressuscitar ao terceiro dia. Pedro escutando isso pegou Jesus de canto e o “repreendeu”, dizendo: «Deus não permita tal coisa, Senhor! Que isso nunca te aconteça!» Jesus, porém, devolve: «Fique longe de mim, Satanás! Você é uma pedra de tropeço para mim, porque não pensa as coisas de Deus, mas as coisas dos homens!»

Hermeneutizando: Antes de falar, sugerir, opinar, pense se as suas palavras vão contribuir com a situação ou com as pessoas. Do contrário, fique quieto.

Pedro, e os puxadinhos do céu
Transfiguração (MT 17,1-8 ou Lc 9,28-36)

Jesus toma Pedro, Tiago e João, e os leva a um lugar à parte, sobre uma alta montanha. Lá se transfigura diante deles: o seu rosto brilhava como o sol, e as suas roupas ficaram brancas como a luz. Apareceu ali Moisés e Elias, que conversavam com Jesus. Pedro, embora boquiaberto com toda a cena, não segurou a língua e disse: «Senhor, vamos ficar por aqui mesmo. Eu faço três tendas (puxadinho): uma para ti, outra para Moisés, e outra para Elias…» Pedro ainda falava quando, de uma nuvem, saiu uma voz que dizia: «Este é o meu Filho amado, que muito me agrada. Escutem o que ele diz.» Quando ouviram isso, os discípulos ficaram assustados, e caíram com o rosto por terra. Jesus se aproximou, tocou neles e disse: «Levantem-se, e não tenham medo.»

Hermeneutizando: Todo mundo precisa de um momento de paz, uma subida à montanha, longe da intranquilidade do mundo. Mas não podemos ficar lá pra sempre, indiferentes as dores do mundo, é preciso voltar a missão.

Pedro, o interesseiro
Recompensa (Mt 19,27-29 ou Lc 18,28-30)

Pedro – sempre ele – tomou a palavra, e disse: «Senhor! Nós deixamos tudo e te seguimos. O que vamos receber?» Jesus respondeu: «Eu garanto a vocês: no mundo novo, quando o Filho do Homem se sentar no trono de sua glória, vocês, que me seguiram, também se sentarão em doze tronos para julgar as doze tribos de Israel.»

Hermeneutizando: Ninguém compra a Deus. Mesmo que Deus seja todo misericórdia e não te deixará faltar da sua graça, não se pode barganhar favores com Deus – portanto, cuidado com as ‘promessas’.

Pedro, o corajoso (Pt2)
Negação de Pedro (Mt 26,31-35 ou Lc 22,31-34)

Então Jesus disse aos discípulos: «Esta noite vocês todos vão ficar desorientados por minha causa… Mas depois de ressuscitar, eu irei à frente de vocês para a Galileia.» Pedro, que não sabe ficar quieto, disse a Jesus: «Ainda que todos fiquem desorientados por tua causa, eu jamais ficarei.» Jesus declarou: «Eu garanto a você: esta noite, antes que o galo cante, você me negará três vezes.» E Pedro ainda devolve: «Ainda que eu tenha de morrer contigo, mesmo assim não te negarei.» E todos os discípulos disseram a mesma coisa.

Hermeneutizando: Você não precisa prometer coisas. Que seu sim seja sim, e que seu não seja não. Mas, tome cuidado ao se comprometer com as palavras. Fale somente aquilo que você verdadeiramente poderá cumprir.

Pedro, o preguiçoso
Dormição no Getsêmani (Mt 26,36-46)

Convidando Pedro, Tiago e João para rezarem no Getsêmani, Jesus lhes disse: «Minha alma está numa tristeza de morte. Fiquem aqui e vigiem comigo.» Jesus foi um pouco mais adiante, prostrou-se com o rosto por terra, e rezou. Depois, voltando para junto dos discípulos, Jesus encontrou-os dormindo. Disse a Pedro: «Como assim? Vocês não puderam vigiar nem sequer uma hora comigo? Vigiem e rezem, para não caírem na tentação, porque o espírito está pronto, mas a carne é fraca.»

Hermeneutizando: Para cair, basta estar de pé. A oração prepara o espírito para as dificuldades da vida. Sejamos assíduos na oração, mesmo que o cansaço insista no contrário.

Pedro, o justiceiro
Violência contra Malco (Jo 18,10-11)

Lá no Horto das Oliveiras, quando Judas trouxe os guardas para prenderem Jesus, Pedro – sempre ele – sacou uma espada e feriu o empregado do sumo sacerdote, decepando-lhe a orelha direita. Jesus, vendo o vuco-vuco disse a Pedro: «Guarde a espada na bainha. Por acaso não vou beber o cálice que o Pai me deu?»

Hermeneutizando: Discordar da opinião ou de uma atitude é normal. Isso mostra que somos diferentes, plurais, e só ganhamos com isso. Entretanto ninguém obtém respeito ou razão pela violência.

O novo Pedro (glória)

Houve mais ‘incidentes’ protagonizados pelo nosso amado Pedro que não foram elencados aqui. Selecionei apenas alguns para encontrarmos neles os traços de humanidade deste personagem central do cristianismo. Mas obviamente Pedro não viveu errante, sobretudo após o evento Pentecostes, quando ele e todos os apóstolos tiveram suas vidas transformadas: relembrando tudo do que viveram com Jesus e não mais cedendo ao medo. Quando o Espírito Santo vem ao encontro da comunidade reunida, todos ali são impulsionados numa coragem evangélica sem precedentes, estando dispostos a dar a vida pela Boa Nova. Mas, antes, vejamos dois impressionantes acontecimentos que comprovam a mudança radical do nosso Pedro, um novo Pedro agora.

Pedro, o cara (Pt1)
Discurso de Pedro (At 2,14-41)

Logo após o derramamento do Espírito Santo sobre Nossa Senhora e os Apóstolos, Pedro – claro, sempre ele – dirigiu um discurso aos judeus com palavras duras, de acusação, mas igualmente de esperança acerca de Jesus. Todos que escutaram o tal discurso viram sentido nele e quiseram aderir a novidade cristã: cerca de três mil pessoas aderiram à comunidade naquele dia, por conta do discurso de Pedro (Uau!).

Pedro, o cara (Pt2)
Nem ouro e nem prata (At 3,1-8)

Pedro e João subiram ao Templo para a oração das três horas da tarde quando, no mesmo instante, traziam um homem, aleijado de nascença, que pedia esmolas na porta do templo. Quando viu Pedro e João entrando no Templo, o homem pediu uma esmola. Pedro e João olharam bem para o homem. E Pedro disse: «Olhe para nós.» O homem olhou os dois com atenção, esperando receber alguma coisa. Então Pedro disse: «Não tenho ouro nem prata, mas o que tenho eu lhe dou: em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, levanta e anda!» Depois Pedro pegou a mão direita do homem e o ajudou a se levantar. Na mesma hora, os pés e tornozelos do homem ficaram firmes. Então ele deu um pulo, ficou de pé e começou a andar. E entrou no Templo junto com Pedro e João, andando, pulando e louvando a Deus.

Concluindo…

Tem muito mais para falar de Pedro, embora hoje minha meta era que você, assim como eu, pudesse reconhecer nele um homem que tentou acertar, errou, mas nunca desistiu. Pedro seguiu Jesus Cristo até as últimas consequências.

A ausência de Jesus e o impulsionamento do Espírito Santo fez com que cada um dos Apóstolos assumisse a responsabilidade de levar adiante o Evangelho, cada um a sua maneira, custe o que custar. Esse processo de amadurecimento da missão fez de Pedro um novo homem, trocando o medo pela coragem, a desesperança pela certeza da Eternidade.

E você?! Se identificou com Pedro?! Eu realmente espero que você tenha compreendido com esse artigo que a Igreja, ou o discipulado de Jesus Cristo, não é para ‘perfeitos’. É, porém, para qualquer pessoa que se põe no caminho, pessoas que ‘vão errar, vão acertar, mas parados não vão ficar’ (sim, plagiei esse trecho kkkk).

Deus abençoe a nossa caminhada,
Viva São Pedro!


Esse artigo foi gravado em vídeo e está disponível no canal do Areópago. Vide abaixo.


Separamos outros artigos que talvez possa interessar

5 respostas em “O temperamento de Pedro: do caos à glória”

“Logo após o derramamento do Espírito Santo sobre Nossa Senhora e os Apóstolos…”
Por gentileza, mostrem na bíblia confirmando que o espírito foi derramado nominalmente sobre a Nossa Senhora…

Olá Venâncio. Paz e Bem. Atendendo o seu pedido, por gentileza, confira Atos dos Apóstolos capítulo 1 versículos 13 e 14. Depois vá até o primeiro versículo do capítulo segundo e verifique que, quando se completou o dia de Pentecostes, todos estavam reunidos no mesmo lugar. Importante esclarecer que este “todos estavam reunidos no mesmo lugar” trata-se dos mesmos personagens que você leu no princípio (At 1,13-14) – portanto: Pedro e João, Tiago e André, Filipe e Tomé, Bartolomeu e Mateus; Tiago, filho de Alfeu, e Simão, o Zelota; e Judas, filho de Tiago. Todos estes, unânimes, perseveravam na oração com algumas mulheres, entre as quais Maria, a mãe de Jesus… Espero ter demonstrado. Deus o abençoe.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *