O muro invisível

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Grande Muralha da China
Você pode também escutar esta crônica na voz de “Gilberto Macedo”

Na quarta-feira (25/11/2020) a triste notícia da passagem do “endeusado” Diego Armando Maradona, o maior jogador de futebol argentino, comoveu o mundo todo. Lendo um depoimento de quem jogou na defesa de time contrário, soube-se que para barrar o Maradona só se pudesse construir um muro ao redor dele, tais a esperteza, técnica e velocidade que demonstrava no campo.

Ao compulsar o jornal de quinta-feira, cuja manchete principal era “Morre Diego Armando Maradona”, um artigo cujo título era “O muro invisível do racismo” aguçou a minha curiosidade. O tema abordado era o racismo estrutural, tão em alta neste Brasil varonil.

A crônica política usara a expressão o muro separando a direita e esquerda cada vez parece aumentar de tamanho.

Tudo isso me levou a revisitar o texto que escrevera há três anos com o título O MURO, a partir da queda do Muro de Berlim.

Em 9 de novembro de 1989, caía o Muro de Berlim, construído em 1961. Berlim, a cidade dividida ao meio. Uma muralha gigantesca de quase setenta quilômetros de extensão abrigava 302 torres de observação, quase 130 redes metálicas eletrificadas e mais de 250 pistas para ferozes cães de guarda. Não só dividia a capital alemã. Expunha a divisão do mundo em dois grandes blocos: capitalismo e socialismo. A Alemanha Oriental, socialista, construiu o muro. Do outro lado a Berlim Ocidental, capitalista. País dividido pela barreira física e ideológica.

Era o tempo da Guerra Fria. Tensão constante pairava no ar. Os protagonistas do clima beligerante: norte-americanos e soviéticos. Em litígio permanente: socialismo e capitalismo. Os tentáculos do poder de ambos se alastravam.

Com a queda do muro de Berlim, rompeu-se a odiosa divisão. A unificação fez-se realidade. Há muitos outros muros que o homem construiu no mundo inteiro, para separar ou se proteger. Há a Grande Muralha da China que pode ser vista da lua. Visava à proteção contra as invasões dos nômades, principalmente dos mongóis.

O Muro das Lamentações em Jerusalém era de arrimo. Sustentava uma das paredes do Templo, local que guardava a Arca da Aliança e cultuava a Deus. Um muro bem alto e robusto posto abaixo: “Porque é Ele (Cristo) a nossa paz. Ele que de dois povos fez um só, destruindo o muro de inimizade que os separava”. Judeus e gentios unidos. Advertência do apóstolo Paulo aos efésios (2,14).

Rompendo a divisão: O homem nasceu para ser livre. Nenhuma barreira pode destruir o sonho de liberdade. Nada, absolutamente nada, é mais forte do que o anseio justo de todo um povo. Um projeto de felicidade jamais sucumbe. Deus o sustenta.

Que tal começar agora a obra de desconstrução daquilo que nos priva da verdadeira liberdade? Convém jamais nos esquecer de que o homem foi criado como um ser perfectível. Não é obra fechada, completa. É necessário o empenho firme em dar um toque ou acabamento à obra. Coerente com o traçado e a beleza do Criador. Remover o que em nós se mostra feio ou provoca divisão.

No almoxarifado divino equipamentos e instrumentos encontram-se à disposição. Bastará solicitar o necessário. Podemos colocar o tijolinho na construção do Reino de Deus, aqui e agora. Podemos construir um muro de ódio com todas as pedras que nos atiraram no caminho. A colher de pedreiro, o prumo, a trena e todas as ferramentas encontram-se no mesmo depósito onde repousam as marretas e as picaretas que podem destruir esse imenso muro que nos divide ao meio.

A opção é livre, o livre-arbítrio é soberano, a decisão é nossa! Perdeu sentido a existência do muro de divisão. As marcas no chão não precisam ser preservadas ou lembradas.

Dirijamos o olhar para o alto. É lá que se encontram os valores do Reino de Deus que podem ser vividos desde já. Há que implodir o muro. Em seu lugar plantar um jardim de flores. De todas as espécies e cores. Simples margaridas e violetas ao lado das mais sofisticadas orquídeas e tulipas convivem em harmonia. O perfume a dominar o imenso jardim. A beleza jorrando da natureza que desabrocha em flor.

A decisão sempre é pessoal. É minha, é sua. Qual o muro mais fortificado que existe na vida que nos impede ser livres? A ganância, a luxúria, a soberba, a inveja, o ressentimento, a preguiça? É preciso derrubá-lo! Temos o poder suficiente, não importa o tamanho!

“Que a Paz de Cristo cresça em nós sem cessar”. Deixe no chão o muro que divide e traz sofrimentos.

O momento ideal? Agora! O “depois” pode não chegar.
Avante!

Separamos outros artigos que talvez possa interessar

12 respostas em “O muro invisível”

Quem tem um Deus grandioso como temos, podemos usar o mundo físico, a exemplo da muralha da China, para que do alto dela, possamos ver e analisar: 1 _ primeiro que sua construção não se prestou aos desígnios do Criador, posto que demonstrou um instrumento de separação;
2_ que de sua parte mais elevada dá muito bem para se ter uma dimensão da obra de Deus que são as planícies e montanhas construídas pelo Criador.
Que tal preencher todas as muralhas e barreiras com lindas portas de transposição enchendo-as de flores e trepadeiras, para transforma-las em obras de arte, provando com isso que o inicuo perante Deus pode se curvar passando a ser algo que representará um passado inóspito, hoje, algo alvo das nossas lembranças. As muralhas mentais por serem apenas virtuais são e serão mais fáceis de serem transformadas, apenas com nossas mãos de obras, dispensando trabalhadores braçais. Se pensarmos que no termo Deus tem um “eu” entre o D e o s, seremos capazes de destruir toda e qualquer muralha, mesmos as físicas. Obrigado Irineu, por me mostrar o deposito divino e, apanhar uma ferramenta útil para transpor e vencer qualquer muralha sem preconceitos, embora, penso que jamais os tive.

Muro invisível de cunho social, racial, religioso, ideológico, econômico pairam à Nossa volta sem darmos conta da sua presença nefasta.que só desagrega, discrimina gerando dor, injustiça e transtornos
Tudo isto longe dos ideais de uma sociedade justa,fraterna, de amor, de misericórdia, e de solidariedade.
Cabe à cada um de nós quebrar essa barreira ( muro invisível) e batalhar para a construção de um mundo melhor, visando o bem comum.
Bela crônica Irineu!
Obrigada, e que Deus o abençoe!

Hora da gratidão. Filho, Pai e Homem; sempre com textos muito reflexível e vale salientar, são escritos sem murros, isto diz, o escrito é pra todas as idades e por fim com base na boa teologia. Até nos lembra cartas de Paulo, do M.Diassis (a pedra…)rsrs. Não vou dizer Irineu que vc é o cara pode se sentir ofendido, mas sou livre e por fim, digo sou feliz por ter na lista das minhas orações e amizade. Deus obg por este anjo e todos: Rodrigo, Maria, Vinicius, João, Ana, Joel, Vera… feliz 3°f a todos participantes.

O muro do medo existe em nós, assim somos o próprio divisor. Para derrubarmos é preciso construirmos um novo coração com amor intenso. Irineu seu texto é excelente como os demais.

Texto excelente, como sempre! Há muitos muros a serem derrubados, muros invisíveis que construímos em nossos corações. “Que a Paz de Cristo cresça em nós sem cessar”

Prezado Amigo gostei do seu almoxarifado! Ele detém todas as ferramentas para construir muros e para derrubá-los. E…existem aquelas para construir pontes!

Ao final fico a refletir sobre “o que nos impede, coletivamente, de buscar apenas e tão somente soluções?”

Grande abraço!

O muro do medo da solidão.
A sensação de perdas, perdas, perdas, tem feito eu refletir sobre solidão, estar só, ser só, ter que viver só. Ontem no velório o padre disse: muitos se incomodavam com uma senhora que ia a missa com seu cachorrinho, ele era a sua companhia, ela tinha vida sem cuidar dele. Ao falecer o padre ser referiu a família: quem iria cuidar do cachorrinho?
Fica aí o medo…

a luta é sempre grande para vencermos os muros que nós mesmos pela nossa ganância criamos. o texto me lembra o como é dificil criar uma amizade, amor , paz, alegria…. do que a facidade de criar inimizade, desamor,…. sempre as suas colocaçoes interpela minha consciencia e me leva sempre a refletir sobre a minha trirelaçao de vida. com Deus comigo mesmo e com o outro ou seja a sociedade. parabens pai pelo texto. vc é um génio.

Texto perfeito!
Observando nos noticiários o Muro de aglomeração dos fãs para o velório do “endeusado” jogador e o descaso com a Pandemia, me desencanta constatar que a humanidade está se perdendo, deixando de adorar o Deus verdadeiro, que sonhou para nós um jardim com flores e árvores que produzem frutos o ano todo, onde podemos nos alimentar e nos aninhar..”como ensina a Palavra da liturgia de hoje”. A escolha é nossa! Ao invés de construirmos Muros da desobediência , escolhamos a liberdade e nos deixemos moldar, lutemos para derrubar o Muro invisível que nos afasta de Deus!
Obrigada Irineu pela reflexão
Grande abraço

Em um mundo tão interativo, tão conectado, chego apenas a uma conclusão: Os idiotas criam muro; os inteligentes criam pontes … Acredito que Deus, em toda a sua sabedoria, escolhe sempre alguns para se destacarem nas suas vidas profissionais e pessoais …..Creio que Maradona foi um desses ….

Deixar “no chão o muro que divide e traz sofrimentos” e “olhar para o alto” é o que devemos fazer.
Mas enquanto isso…
É triste constatar que em nosso mundo a adoração a pretensos e denominados “deuses”, “ídolos” e até a “mártires” criados, de um dia para o outro, está do avesso.
Deus só Jesus Cristo, ídolos deveriam ser nossos pais, avós, quem nos criou e nos ajudou a formarmos nosso caráter e mártires aqueles que morreram defendendo uma causa digna cristã ou no lugar de alguém.
O homem que vive uma vida comum, simples, digna, sem escândalos é apenas mais um para as estatísticas, já outros tantos com polêmicas e atitudes que não serviriam de exemplo, para ninguém em sã consciência, recebem homenagens, tributos e manchetes desproporcionais.
Boa parte da imprensa é que cultiva e incentiva que episódios assim se multipliquem.
Por falar dela, ultimamente vem sendo cultivado e criado o muro invisível – para muitos – da falta de imparcialidade jornalística: um negro morto por brancos é racismo, um branco morto por negros é um mero homicídio!
Esse muro propagado pelos mais radicais, incluindo os infiltrados em parte da imprensa, não tem legitimidade para definir o que, ou quem, faz parte de seu lado direito ou esquerdo, muito menos qual a pauta que o definem.
Aliás, em tempos de eleição, tem quem apoie e defenda os “puladores” de muros alheios, sob o argumento de que é para o bem dos mais necessitados e desabrigados. Talvez quem defenda não corra o risco de pularem o seu muro!
Mas se considerarmos essa pauta de divisão do muro da forma como propagada, sem entrar no mérito das peculiaridades e abusividades existentes, em ambas, e tivéssemos que escolher um dos lados – até para sair de cima do muro – lembraria, como cristão, da oração de parte do credo: “Creio em Deus pai todo poderoso, criador do céu e da terra, e em Jesus cristo seu único filho, nosso senhor que foi concebido, pelo poder do Espírito Santo, nasceu da virgem Maria, padeceu sob pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado, desceu a mansão dos mortos, ressuscitou ao terceiro dia subiu aos céus e está sentado a direita de Deus pai todo poderoso donde há de vir e julgar os vivos e os mortos.”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *