Ternura maternal divina

Areopago-Irineu-Ternura-maternal-divina

Alguns esperavam (comentaram) que eu escrevesse sobre Nossa Senhora Aparecida na semana que antecede ao dia a ela dedicado. Afinal, ela é a Padroeira do Brasil. As diversas denominações que ela recebe deixam muita gente confusa, especialmente, os protestantes que não toleram a designação Nossa Senhora, nem a consideram digna de veneração.

Maria proclamou:

Todas as gerações me chamarão feliz, porque o Senhor fez em mim maravilhas.

Lc, 48-4

Maria é a “Theotokos”, a Mãe de Deus, que gerou por obra do Espírito Santo, Jesus Cristo, que é, ao mesmo tempo, Deus e Homem. É o que ficou definido no Concílio de Éfeso que aconteceu em 431. Mãe de Jesus Cristo que reúne em sua pessoa as duas naturezas: divina e humana.

Falar de mãe é falar de amor. E quando se fala de amor, não há como não se referir a Deus. O evangelho de João afirma que Deus é Amor. As outras confissões religiosas também devem relacionar o amor com a divindade.

No relato bíblico da Criação, a mulher foi a última criatura. Na verdade, o ponto culminante. Mulher, mãe e esposa. Imagem e semelhança mais terna e meiga de Deus. Dessa afirmação, ninguém duvida. Alguns dizem que essa classificação de Deus como substantivo masculino não é lá muito católica. Católica no sentido de universal, importante esclarecer. A propósito há um livro e um filme, sem entrar no mérito da profundidade teológica (negada por alguns) que retratam Deus como uma mulher negra, gorda, simpática, boa cozinheira. E chega a ser convincente. Tem cara de mãezona. Aquela que é todo colo, sorriso e aconchego. A mãe de muitos é assim. Pode mudar a cor da pele, a compleição, mas deve ser simpática e deve cozinhar bem. Há mil razões para crer que todas as mães são simpáticas e cozinham bem. Nunca ouvi alguém afirmar que a mãe é antipática e que cozinha mal. Selfie de mãe revela Deus e mostra Nossa Senhora!

A seguir algumas pílulas sobre a relevância da maternidade:

Ao nascer, a criança sente que é parte da mãe. Até os seis meses de idade não se imagina um ser distinto, individual. Confunde-se com a mãe. O útero materno é muito, mas muito mais aconchegante do que o útero social. Este expõe a riscos, aquele protege por inteiro e é autossuficiente. Mãe, portanto, indiscutivelmente é obra privilegiada da criação.

Na pesquisa dos melhores alimentos do mundo, no topo da lista, em primeiríssimo lugar, o leite materno. Sem contraindicação. Uma centelha divina, com certeza! Dádiva da maternidade. Alimento insubstituível. Sim, o alimento completo.

As primeiras testemunhas da Ressurreição propagaram aos quatro cantos que Jesus vive. Cá entre nós, até os dias de hoje cabe bem à mulher esse figurino. A mãe testemunha ao mundo, especialmente, aos filhos e gerações vindouras, que Jesus ressuscitou. Ele está vivo e permanece entre nós. São elas sempre as primeiras catequistas. O lar, igreja doméstica.

Ser mãe implica enfrentar doenças infantis e noites mal dormidas. É o olhar cuidadoso constante e renúncia ao descanso. Assume diversas ocupações diárias em relação à criação e educação do filho. As mães quando partem desta vida ficam na presença do Altíssimo. Intercedem pelos filhos que aqui ficaram. Não alteram a sua rotina materna. Mãe é vigília constante. Mãe é portadora de paz. É o manto protetor.

A Mãe e o Pai ajudaram o filho a crescer em estatura, graça e liberdade. NO ALTO DA CRUZ, NO SANGUE DERRAMADO HAVIA O SANGUE (DNA) DE MARIA, SUA MÃE. Amor materno sem medidas. Tudo suportou. Tamanho do amor divino.

“Quando se completou o tempo previsto, Deus enviou seu Filho nascido de uma mulher” (Gálatas 4,4). Esse versículo paulino tem grande importância. Providencial a explicação “nascido de uma mulher”. Maria de Nazaré, com o seu SIM mudou a história da humanidade. Quantas mulheres hoje respondem não à maternidade, por medo, despreparo ou irresponsabilidade. O sim delas é a permissão à prática do aborto. Como é triste perceber que a mais alta corte do Judiciário inventou a tese de que gravidez interrompida até os três meses não significa aborto. Legisla indevida e aplica inapelavelmente. Brademos contra essa cultura do descarte. A vida continua a ser bem precioso e inalienável. É dom de Deus. Afastemos de nós tal aberração.

Viva à mãe de Deus todo santo dia, não apenas no dia 12 de outubro. Mãe da Igreja e nossa Mãe Aparecida. Viva à Vida!

(Observação: No dia 11/10/2020 foi publicado aqui no Areópago excelente artigo de Jairo Fedel sobre Nossa Senhora Aparecida, veja aqui.)

Separamos outros artigos que talvez possa interessar

13 respostas em “Ternura maternal divina”

Nossa Senhora MÃE de Deus, nosso Senhor Jesus Cristo. Se todos os filhos cristãos reconhecem a importância e a necessidade de suas mães, por qual razão não reconhecer a graça e intercessão da Virgem Maria sobre nós? Foi a escolhida para ser a MÃE de Deus, precisa dizer mais alguma coisa?! Aqueles filhos que não a respeitam deveriam refletir pois ainda é tempo: nossa MÃE sempre nos recebe, nos acolhe, nos ouve e intercede por nós. Ave Maria, cheia de graça….

Excelente!
Mãe é amor é pureza, o melhor colo do mundo.
Parabéns Irineu, texto muito tocante.
Viva Nossa Senhora mãe de Deus🙏👏👏

Belíssima reflexão! Deus amor incondicional, mãe reflexo do Pai. Mãe sublime criação de Deus que traz consigo a continuidade da criação.
Maria Santíssima mãe de todos nós, seus filhos.

Olá Irineu lendo, rezando e refletindo esse texto me fez pensar no Amor misericordioso de Deus que se revela no seio familiar no amor de Pai e Mãe,amor este que se aproxima do amor divino…
Não pude pensar em vocês Terezinha e Irineu que mesmo com sua família estabilizadas os filhos criado se “aventurou ” em acolher e criar um bebê que hoje cresceu uma menina linda com seus medos ,anseios e inquietude ….vocês tiveram que resignificando e representar os conceitos de outra geração com todos seus desafios…
Este amor divino Maternal se manifesta e transcende do lar capaz de amar outros…
Digo isso com propriedade porque também fui amada e acolhida, mesmo em uma idade madura …porque para o Senhor somos eternas crianças pois Ele manifestou o seu Amor Maternal através um casal que faz parte de seus convivo na missão evangelizadora…
Obrigada por trazer este lindo texto orante que confirma e renove este Amor incondicional de um Deus que nos Ama com Amor de Pai e Mãe
Abraços…

Texto belíssimo,
Nossa Senhora, mãe de Jesus e de todos nós!
Um refúgio sagrado que inspira proteção, acolhimento e segurança!
Nos momentos difíceis é à ela que recorremos e somos sempre acolhidos com muito carinho e amor
Viva Nossa Senhora, merecedora de todo respeito e admiração!

Lindo texto!
Nos dias em que nos sentimos fracos, o Útero de Maria é o nosso refúgio e proteção! Viva a Mãe de Deus e nossa!!!
Grande abraço amigo Irineu !

“falar de mãe é falar de amor”.
Texto magnífico 👏👏👏👏
Viva nossa senhora e todas as mães que intercedem no céu por seus filhos amados 🙌

MÃE.
Obrigado Irineu, por mais uma vez descrever tão bem a nossa Mãe e, como também o chamado para que possamos ser imitadores da Jóia mais valiosa a (Mãe do amor maior). Paz e sabedoria a toda essa equipe do areópago.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.