O atentado aos estudantes no Texas e a ação policial no Rio de Janeiro: uma reflexão sobre o horror e o mal

Areopago-Borba-DSI-Reflexao-sobre-Mal

Terça-feira, 24 de maio, foi um dia trágico. No Texas, um jovem assassinou 19 crianças e 2 adultos; 23 pessoas morreram numa ação policial do BOPE nas favelas do Rio de Janeiro. De um lado, uma sociedade que, mesmo sendo rica e desenvolvida, não consegue atender adequadamente pessoas com distúrbios psicológicos, onde o acesso fácil às armas de fogo se tornou uma ameaça à população. De outro, uma sociedade extremamente desigual, onde as populações pobres vivem simultaneamente sob a ameaça e o fascínio do crime organizado, onde a polícia age com truculência e a juventude muitas vezes olha o futuro com desesperança.

O horror do mal e a mensagem cristã

Atentados aparentemente fortuitos, perpetrados por pessoas que nos parecem desequilibradas, são aparentemente mais comuns em alguns países, como nos Estados Unidos, onde ocorreram 213 tiroteios em massa só em 2022! Os atentados em escolas são mais frequentes naquele país, mas também ocorrem no Brasil. Nos últimos cinco anos, tivemos quatro atentados a escolas: Goiânia (GO) em 2017, Medianeira (PR) em 2018, Suzano (SP) em 2019 e Saudades (SC) em 2021.

Diante desses episódios, a pessoa de fé não consegue deixar de repetir a pergunta de Bento XVI no Campo Nazista de Extermínio de Judeus em Auschwitz-Birkenau: “Onde estava Deus naqueles dias? Por que Ele silenciou? Como pôde tolerar este excesso de destruição, este triunfo do mal?”. Para os diretamente envolvidos nas tragédias, palavras de consolo pouco adiantam. A solidariedade mais efetiva frequentemente se dá pela oração e, em alguns momentos, por um acontecimento inesperado no qual se vislumbra com mais clareza a presença da própria Misericórdia.

No Catecismo da Igreja Católica, encontramos uma interessante citação de Santo Agostinho: “Deus todo-poderoso […] nunca permitiria que qualquer mal existisse nas suas obras se não fosse suficientemente poderoso e bom para do próprio mal, fazer surgir o bem” (CIC 311). Vivemos nossa fé na esperança dessa revelação da bondade última de Deus, alicerçados num Acontecimento que de alguma forma já se faz presente entre nós, dando força para o presente e perspectiva para o futuro (cf. BENTO XVI. Spe salvi, SS 7-9).

Entender o mal, para saber que caminhos seguir

Ataques a escolas e atentados em locais públicos parecem ser cada vez mais frequentes. Em parte, isso se deve a condições propícias para a divulgação desse tipo de crime. São acontecimentos relativamente raros, mas de grande impacto midiático. A divulgação dos casos, dando notoriedade aos assassinos, e um certo incentivo a atos de violência nas redes sociais e em certos âmbitos da internet criaram um clima que estimula certas pessoas a realizarem tais atos. Isso não quer dizer que se tornam assassinas só por isso, mas esses estímulos podem induzir a manifestação de um comportamento agressivo.

O adensamento populacional e a forma de vida moderna reduziram em muito as oportunidades de encontro e os espaços de convivência. Em meio à multidão, estamos muito mais solitários que nossos antepassados em suas aldeias e comunidades. O anonimato e a aparente irrelevância pessoal acompanham a solidão. Ao mesmo tempo, os ideais de autonomia e autorrealização criaram como que uma obrigação de sucesso e diferenciação, particularmente entre os jovens. Ser um “looser” (perdedor) é a maior desgraça que pode acontecer a um deles.

Diante dessa contradição, da sensação de ser irrelevante, “descartável”, frente à necessidade de se tornar reconhecido e importante para ser amado e valorizado, passam a pulular na sociedade comportamentos extravagantes e grupos de desajustados. Campanhas de ressentimento e ódio nas redes sociais estimulam mais ainda a violência.

Os estudos mostram que os perpetradores de ataques a escolas frequentemente eram jovens tímidos e inseguros, com dificuldade para fazer amigos e sujeitos ao bullying por parte dos colegas. Frequentemente vem de contextos familiares “disfuncionais”, com pais violentos ou ausentes, traumas de infância, inaptidões ou marginalização social. São jovens que quase sempre têm dificuldade de encontrar um sentido e uma esperança na vida. Se julgam incapacitados de terem uma vida normal e procuram culpados para sua condição, podendo atribuir essa culpa a pessoas sem relação com sua história de vida. Importante observar a maioria dos jovens com esse perfil não se torna um assassino violento. Tomarão outra direção na vida e superarão, ao menos em parte, seus problemas.

Como enfrentar o mal?

Como poderemos nos proteger do mal? Como proteger aqueles que amamos? Essa é uma das perguntas mais fundamentais que todos ser humano faz ao longo de sua vida. Programas de saúde, seguradoras e empresas de segurança patrimonial existem e proliferam justamente por causa disso. Mas, conforme lembram os Salmos, quem confia nas próprias forças e nos recursos humanos para garantir sua segurança está se iludindo (cf. Sl 20, 31, 84). Essa não é uma afirmação derrotista, mas um sadio realismo que nos liberta de nossos próprios limites. Aquele que confia verdadeiramente no Senhor não se imobiliza diante dos desafios, mas pode analisá-los com mais tranquilidade e enfrentar as tragédias – quando ocorrem – com mais esperança.

Famílias bem formadas, em condições de acompanhar a vida dos filhos, e um ambiente sadio para crianças e jovens são as melhores defesas contra esses atentados. Mesmo isso não cria uma garantia que essas tragédias não acontecerão em nossos lares ou nossa comunidade. Alguns dos assassinos, nesses ataques a escolas, vinham de famílias consideradas bem formadas e viviam num ambiente sadio. Porém, o investimento nas famílias e no ambiente em que vivem os jovens, quando bem-feito, sempre ajudará a construir um mundo melhor.

Um olhar mais amplo sobre a segurança pública

As diferenças entre as duas realidades, do atentado no Texas e das mortes no Rio de Janeiro, ajudam a compreender que não se pode conquistar a segurança pública apostando na violência, seja pela truculência policial, seja pela ilusória garantia de autodefesa carregando armas. Nossa segurança é o fruto do “desenvolvimento humano integral”, que alcança todas as pessoas, em todas as dimensões de sua vida. Melhoria das condições socioeconômicas, acolhida tanto material quanto afetiva dos jovens, educação aos valores, maior eficiência da polícia e do sistema judiciário, recuperação e reinserção dos criminosos – são muitos aspectos da questão, todos agindo em conjunto.

O debate sobre o porte de armas, independentemente do direito de cada um de nós à autodefesa, tende a ocultar a necessidade de uma ação eficaz do Estado para garantir a segurança. A ênfase nos condicionamentos socioeconômicos muitas vezes oculta tanto a importância da liberdade e da responsabilidade pessoal, quanto as dificuldades enfrentadas pelos agentes da lei. Necessitamos de uma visão integral do problema, que considere todos seus aspectos, iluminados pela justiça e pelo amor.

Encontrar soluções para os problemas de segurança pública não é tarefa da Igreja. Contudo, como observou Bento XVI, a Igreja não pode deixar de se interessar por esta temática, uma vez que a busca da justiça e a promoção da civilização do amor constituem aspectos essenciais da sua missão de proclamar o Evangelho de Jesus Cristo.

Separamos outros artigos que talvez possa interessar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.