A história de Paulo, o apóstolo dos gentios

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Areopago-Jairo-Paulo-Apostolo-dos-Gentios

Paulo é o personagem mais comentado e estudado do Novo Testamento (NT), depois de Jesus e Maria. Abaixo algumas razões:

  • Atribui-se a ele a autoria de 13 dentre 27 livros do NT. (mais adiante veremos com detalhes a autoria de cada uma das cartas.);
  • Seus escritos são os mais antigos do NT e, portanto, são os mais originais textos “oficiais” sobre Jesus Cristo e a ressurreição;
  • Ocupa papel de notável destaque na expansão do cristianismo primitivo e isso pode ser notado com a leitura de Atos dos Apóstolos;
  • Enfrenta a questão que será determinante para o cristianismo: a pertença e continuidade ao Povo da Antiga Aliança, isto é, Israel;
  • Faz teologia quando escreve, elaborando os primeiros raciocínios a respeito de Jesus, de sua identidade, das consequências de sua história e de seu evento;
  • É, fundamentalmente, um apaixonado pelo que vive e faz. Especialmente ele é apaixonado pela pessoa e missão de Jesus Cristo. Por isso ele não pode deixar de expressar-se de modo arrebatador quando fala e escreve.

Sua Origem

O apóstolo Paulo nasceu entre os anos 5 e 10 d.C., na cidade de Tarso da Cilícia (At 9,11; 21,39; 22,3). Era filho de judeus, da tribo de Benjamin e, como era o costume, foi circuncidado ao oitavo dia. São Jerônimo informa que seus pais eram de Giscala, na Galileia. Paulo cresceu seguindo a mais perfeita tradição judaica (Fl 3,5). Tinha uma irmã e um sobrinho que moravam em Jerusalém (At 23,16). Sua profissão era artesão, fabricante de tendas (At 18,3). Seu estado civil é um tanto incerto, ainda que, na maioria das vezes, se afirme que era solteiro.

Ainda jovem, foi para Jerusalém e, na escola de Gamaliel, se especializou no conhecimento da sua religião. Tornou-se fariseu, ou seja, especialista rigoroso e irrepreensível no cumprimento de toda a Lei e seus pormenores (At 22,3).

Cheio de zelo pela religião, começou a perseguir os cristãos (Fl 3,6; At 22,4s; 26,9-12; Gl 1,13). Esteve presente no martírio de Estêvão, cujos mantos foram depositados aos seus pés (At 7,58). Continuou perseguindo a Igreja (At 8,1-4; 9,1-2), até que se encontrou com o Senhor Jesus na estrada de Damasco (At 9,3-19). A experiência com Jesus mudou completamente sua vida. De perseguidor passou a ser o anunciador até sua morte, provavelmente em 68 d.C.

Estudante aplicado

Era um homem bem preparado: além de conhecer bem sua religião (o que pode ser comprovado pelas muitas citações que ele faz do Antigo Testamento), possuía boas noções de filosofia e do método da retórica, bem como das religiões gregas do seu tempo, além de conhecer bem o idioma grego. Em Tarso, sua cidade natal, haviam escolas filosóficas ligadas aos estoicos e cínicos, e também escolas de educadores como Atenodoro, que nasceu também em Tarso e foi professor e amigo do imperador Augusto.

Orador e escritor

Lendo suas cartas, percebemos o caráter e o temperamento do Apóstolo: às vezes, muito meigo e carinhoso, outras vezes, severo. Não abria mão das suas ideias e ameaçava com castigos quando era contrariado (1Cor 4,21). Escrevendo às comunidades, comparava-se à mãe que acaricia os filhinhos, sendo capaz de dar a vida por eles (1Ts 2,7-8). Sentia pelos fiéis as dores do parto (Gl 4,19). Amava-os, por isso se sacrificava ao máximo por eles (2Cor 12,15). Mas era também o pai que educava (1Ts 2,11), que, por meio do Evangelho, conduzia as pessoas à vida nova (1Cor 4,15). Pelas comunidades que fundou sentia o ciúme de Deus (2Cor 11,2), temendo que elas perdessem a fé. Quando se fazia necessário, exigia obediência (1Cor 4,21).

Muitas vezes, Paulo é apresentado como alguém distante do povo e das suas comunidades, incapaz de manifestar sentimentos, indiferente ao drama das pessoas, antifeminista, moralista etc. Os que veem Paulo com esses olhos esquecem-se de suas viagens, cadeias, sofrimentos, perigos e, sobretudo, de sua paixão por Jesus e pelo povo (2Cor 11,23-29). Era capaz de amar todos os membros de todas as comunidades, sem distinção, chamando-os de “queridos” e “amados” ou “irmãos”. Queria que todos fossem fiéis a Deus. Assim se tornariam seus filhos, como era Timóteo (1Cor 4,17).

Sacrifícios sofrido pela fé

Em sua incansável missão de anunciar o Evangelho, Paulo sofreu muito, mas não desistiu. Ele mesmo relata algumas das situações difíceis pelas quais passou: “Muitas vezes, vi-me em perigo de morte. Dos judeus recebi cinco vezes os quarenta golpes menos um. Três vezes fui flagelado. Uma vez apedrejado. Três vezes naufraguei. Passei um dia e uma noite em alto-mar. Fiz numerosas viagens. Sofri perigos nos rios, perigos dos ladrões, perigos por parte de meus irmãos de estirpe, perigos dos gentios, perigos na cidade, perigos no deserto, perigos no mar, perigos dos falsos irmãos! Mais ainda: fadigas e duros trabalhos, numerosas vigílias, fome e sede, múltiplos jejuns, frio e nudez!” (2Cor 11,23b-27). Teve de lutar contra os falsos missionários (2Cor 11,10-13) que anunciavam um Evangelho fácil, que fugiam da humilhação e da tribulação. Anunciavam um Jesus sem a cruz. Paulo anunciava o Jesus Crucificado, ainda que isso fosse escândalo (1Cor 1,23). É importante notar que, para os judeus, alguém que fosse condenado à morte e suspenso numa árvore era considerado um maldito de Deus (Dt 21,22-23). Porém, a cruz não era o fim. O mesmo Jesus da cruz é também o Jesus Ressuscitado (1Cor 15).

Desvendando Paulo

A reconstrução da vida de Paulo pode ser feita mediante duas fontes principais, a saber:

1 – Passagens de suas cartas autênticas, principalmente:
1Ts 2,1-2.17-18; 3,1-3a; Gl 1,13-23; 2,1-14; 4,13; Fl 3,5-6; 4,15-16; 1Cor 5,9; 7,7-8; 16,1-9; 2Cor 2,1.9-13; 11,7-9.23-27.32-33; 12,2-4.14.21; 13,1.10; Rm 11,1c; 15,19b.22-32; 16,1.

2 – Passagens de Atos dos Apóstolos:
At 7,58; 8,1-3; 9,1-30; 11,25-30; 12,25; 13,1-28,31.
No entanto, na reconstrução da vida de Paulo, deve-se dar preferência ao que Paulo nos conta acerca de si mesmo, pois a história de Lucas sobre a atividade missionária de Paulo está condicionada por suas pronunciadas tendências literárias e preocupações teológicas.

Possível cronologia da vida de Paulo

Não é fácil datar corretamente a vida e a atividade de Paulo. Segue um possível esquema:

  • Em torno do ano 5: Nascimento em Tarso.
  • Em torno do ano 11: Começa a frequentar a escola na Sinagoga.
  • Em torno do ano 20: Muda-se para Jerusalém para estudar e tornar-se fariseu na Escola de Gamaliel. + ano 35: Experiência no caminho de Damasco: a conversão.
  • Até o ano 37: Está na Arábia, depois em Damasco e faz uma rápida viagem a Jerusalém (Gl 1,17-18).
  • Até os anos 44 ou 45: Passa alguns anos em sua terra natal, Tarso.
  • No ano 45: Estadia em Antioquia da Síria.
  • Anos 46 a 48: Primeira viagem missionária.
  • Ano 49: Em Jerusalém para o Primeiro Concílio da Igreja (At 15,1-35).
  • Anos 49 a 52: Segunda viagem missionária.
  • Anos 53 a 58: Terceira viagem missionária.
  • Anos 59 a 62: Quarta viagem missionária.
  • Ano 68: Morre mártir em Roma.

Conversão ou Adesão?

O evento de Damasco foi sempre conhecido historicamente como a “conversão de São Paulo” (comemorada no dia 25 de janeiro). Porém, Paulo não utiliza nunca a palavra metanoia (conversão). Também o que aconteceu com Paulo não segue o sentido que, no Antigo Testamento, os profetas davam a metanoia: “voltar”; “retornar”. Paulo não retornou ao farisaísmo, ao contrário: abandonou o rigor da Lei. Sabemos que Paulo havia se tornado um fariseu sem reprovação (Fl 3,6b). Era o máximo que um fariseu poderia alcançar: ser chamado de “irrepreensível”, isto é, que observasse toda a Lei, cumprindo seguramente os 613 preceitos. Um judeu observante seguia 613 preceitos, baseados na Lei. Desses, 365 (número dos dias do ano) são em forma negativa: “Tu não farás…”, e 248 (número dos ossos do nosso corpo) são em forma positiva: “Tu farás…”. Os fariseus (palavra que significa “separados”) de fato acreditavam que o Messias viria quando todo o povo cumprisse a Lei fielmente, considerando o “povo da terra” e da Galileia uns “malditos” porque não cumpriam a Lei (Jo 7,49). Portanto, o que Paulo faz é “encontrar” o verdadeiro caminho; encontrar-se com o Senhor. Depois da experiência no caminho de Damasco, ele volta a estudar tudo o que tinha aprendido e se dedica a conhecer a mensagem de Jesus. Sem dúvida, um longo processo até abraçar de vez o seguimento de Jesus Cristo e tornar-se o grande evangelizador.

Paulo e Jesus

Paulo seguramente não viu o Jesus histórico nem ouviu sua voz e suas palavras. Teve uma forte experiência com o Cristo Ressuscitado (At 9,3-9; 1Cor 15,8). Alguns não queriam reconhecê-lo como apóstolo pelo fato de não ter sido um dos doze apóstolos, de não ter sido escolhido por Jesus e de não ter vivido com ele.

A revelação recebida por Paulo

“Com efeito, eu vos faço saber, irmãos, que o Evangelho por mim anunciado não é segundo o homem, pois eu não o recebi nem aprendi de algum homem, mas por revelação de Jesus Cristo” (Gl 1,11-12). O próprio Paulo fala dessa experiência como uma revelação do Filho concedida a ele pelo Pai (Gl 1,16); nela ele “viu o Senhor” (1Cor 9,1; 15,8). A revelação do “Senhor da glória” crucificado (1Cor 2,8) não apenas transformou o fariseu Paulo em um apóstolo, mas também fez dele o primeiro teólogo cristão. A única diferença entre esta experiência – na qual Cristo apareceu a ele (1Cor 15,8), e a experiência das testemunhas oficiais da ressurreição (1Cor 15,5-7) – era que sua visão ocorreu muito depois. Essa aparição colocou-o em pé de igualdade com os doze apóstolos e outros que tinham visto o Senhor. Paulo considerou essa revelação como um acontecimento em que ele foi “alcançado” por Cristo Jesus (Fl 3,12), e pela qual lhe foi imposta a “necessidade” de pregar o Evangelho aos gentios (1Cor 9,16; Gl 1,16b).

Essa “revelação” (Gl 1,12.16) fez Paulo perceber três fatos importantes:

a) Primeiro: como a unidade da ação divina para a salvação de toda a humanidade se manifesta tanto na antiga quanto na nova era. Como resultado do encontro com Cristo ressuscitado, Paulo não se tornou um seguidor de Jesus que rejeitava o Antigo Testamento. O Pai que revelou seu Filho a Paulo era o mesmo a que o fariseu Paulo sempre servira. Era ele o Criador, o Senhor da história, o Deus que salvou continuamente seu povo, Israel, e que demonstrou ser Senhor da aliança, apesar das infidelidades de Israel. Provavelmente, porque fora um fariseu preocupado com as minúcias da Lei, Paulo nunca manifestou uma compreensão profunda dessa “aliança”, dela falando com pouca frequência. Todavia, sua experiência perto de Damasco não alterou seu compromisso fundamental com o “único Deus”.

b) Segundo: aquela visão ensinou-lhe o valor salvífico da morte e ressurreição de Jesus, o Messias, no plano salvífico de Deus. Se sua teologia básica não mudou, sua cristologia mudou, sim. Como judeu, Paulo compartilhava das expectativas messiânicas de seu povo (Dn 9,25), aguardando a vinda de um Messias. Mas a visão do Cristo ressuscitado ensinou-lhe que o Ungido de Deus já tinha vindo, que ele era “Jesus, nosso Senhor, o qual foi entregue pelas nossas faltas e ressuscitado para nossa justificação” (Rm 4,25). Antes de sua experiência perto de Damasco, Paulo certamente sabia que Jesus de Nazaré fora crucificado, “pendurado num madeiro” e, por isso, “amaldiçoado” segundo determina Dt 21,23 (Gl 1,13; 3,13). Indubitavelmente, essa era uma das razões pelas quais ele, como fariseu, não podia aceitar Jesus como o Messias. Jesus era “uma pedra de tropeço” (1Cor 1,23), um “amaldiçoado” pela própria Lei que Paulo tão zelosamente observava (Gl 3,13; 1,14). Mas essa revelação mostrou-lhe enfaticamente o valor messiânico, salvífico e substituidor da morte de Jesus de Nazaré, de um modo que ele nunca havia suspeitado. Com uma lógica que apenas um fariseu poderia apreciar, Paulo viu Jesus tomando sobre si a maldição da Lei e transformando-a em seu oposto, de modo que ele tornou-se o meio de libertar a humanidade da maldição. A cruz, que fora a pedra de tropeço para os judeus, tornou-se, aos olhos de Paulo, o “poder de Deus e a sabedoria de Deus” (1Cor 1,24). Daí em diante, ele entenderia este “Senhor da glória” crucificado (1Cor 2,8) como seu Messias exaltado.

c) Terceiro: essa revelação deu a Paulo nova visão da história da salvação. Antes do encontro com o Senhor, Paulo via a história humana dividida em três grandes períodos: 1) de Adão a Moisés (o período sem lei); 2) de Moisés até o Messias (o período da Lei); 3) a era messiânica (o período no qual a Lei seria aperfeiçoada ou consumada). A experiência perto de Damasco ensinou-lhe que a era messiânica já tinha começado introduzindo, assim, uma nova perspectiva na história da salvação. O “fim dos tempos”, tão avidamente aguardado antes, já tinha começado (1Cor 10,11), embora um estágio definitivo dele ainda devesse ser realizado (como esperado num futuro não muito distante). O Messias viera, mas ainda não em glória. Paulo se deu conta de que ele (junto com todos os cristãos) encontrava-se numa dupla situação: uma na qual olhava para a morte e ressurreição de Jesus no passado, como a inauguração de uma nova era; outra na qual ele ainda aguardava sua vinda em glória, sua Parusia. Muito mais do que seu pano de fundo farisaico, portanto, ou até mesmo de suas raízes culturais helenísticas, essa revelação de Jesus deu a Paulo uma percepção inefável do “mistério de Cristo”. Ela o capacitou a moldar seu “Evangelho”, a pregar a Boa-Nova fundamental de salvação de uma forma caracteristicamente sua. Contudo, Paulo não entendeu imediatamente todas as implicações da visão concedida a ele. Tal visão deu-lhe apenas uma percepção básica que iria colorir tudo o que ele aprenderia acerca de Jesus e de sua missão entre os seres humanos, não apenas a partir da tradição da igreja nascente, mas também a partir de sua própria experiência apostólica na pregação de “Cristo crucificado” (1Cor 1,23).

Fim da Vida de Paulo

O Livro de Atos dos Apóstolos termina com o breve relato da prisão de Paulo. Sua chegada a Roma e a sua pregação desimpedida do evangelho ali formaram o clímax da história da propagação da Palavra de Deus, de Jerusalém até a capital do mundo civilizado da época – Roma simbolizando “os confins do mundo” (At 1,8). Mas este não é o fim da vida de Paulo. A menção a “dois anos inteiros” (28,30) não sugere que ele tenha morrido imediatamente depois disso, não importa que interpretação se dê ao fim enigmático de Atos.

Para outros detalhes acerca do final da vida de Paulo dependemos das tradições eclesiásticas posteriores, as quais se tornaram acentuadamente misturadas com lendas. Paulo alguma vez visitou a Espanha? Talvez esteja implicado um pouco mais que uma historização de planos expressos em Rm 15,24; a tradição subsequente fala de Paulo, liberto após dois anos de prisão domiciliar, ir para a Espanha. Clemente de Roma (1Cor 5:7) registra que Paulo “ensinou a todo mundo a retidão e viajou até o extremo oeste. E, após ter dado testemunho diante das autoridades, ele foi levado deste mundo e foi para o lugar santo, tendo se mostrado o maior modelo de persistência”. O testemunho de Clemente (em torno de 95) sugere a visita à Espanha, um outro julgamento e o martírio. Por volta de 180, o Fragmento Muratoriano sugere que a última parte de At, que relata “a partida de Paulo da Cidade (Roma) quando ele viajou para a Espanha”, foi perdida.

Eusébio de Cesaréia é o primeiro a mencionar a segunda prisão de Paulo em Roma e seu martírio sob Nero: “Após defender-se, Paulo foi novamente enviado para o ministério da pregação e, vindo uma segunda vez à mesma cidade, sofreu o martírio sob Nero. Durante esta prisão, ele escreveu a segunda epístola a Timóteo, indicando ao mesmo tempo que sua primeira defesa ocorreu e que seu martírio estava próximo.” Eusébio ainda cita Dionísio de Corinto (em torno de 170), que afirmou que Pedro e Paulo “foram martirizados na mesma época” (HE 2.25.8). Tertuliano compara a morte de Paulo à de João Batista, por decapitação.

O testemunho de Eusébio de Cesareia acerca da morte de Paulo quando da perseguição de Nero é amplamente aceito. Esta perseguição durou do verão de 64 até a morte do imperador em 09 de junho de 68; e é difícil datar com precisão o ano do martírio de Paulo. A nota de Dionísio de Corinto de que Pedro e Paulo “foram martirizados na mesma ocasião é frequentemente entendida como significando no mesmo ano, mas o ano preferido para a morte de Paulo é 67, perto do final da perseguição de Nero, como o relato de Eusébio parece sugerir. Esta cronologia, contudo, não é universalmente aceita e não está isenta de dificuldades.

Diz-se que Paulo foi sepultado na Via Ostiensis, próximo ao lugar da moderna Basílica de São Paulo Fora os Muros. Em 258, quando túmulos cristãos em Roma foram ameaçados de profanação durante a perseguição de Valeriano, os restos mortais de Paulo foram transferidos provisoriamente para um lugar chamado de Ad Catacumbas na Via Ápia. Mais tarde, eles retornaram a seu lugar de repouso original, sobre o qual Constantino construiu sua basílica.

Referências
Bíblia de Jerusalém. São Paulo: Paulus, 2012.
ROSSI, Luiz Alexandre Solano. PERONDI, Ildo. Paulo, Agente de Pastoral e Semeador de Comunidades. São Paulo: Paulus, 2019.

Separamos outros artigos que talvez possa interessar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *