O Livro do Apocalipse (Pt 4)

Areopago-Jairo-Apocalipse-4

Esta é a quarta parte [de 9] do estudo do livro do Apocalipse. Para uma melhor compreensão do todo, sugerimos acompanhar as demais partes indicadas e numeradas abaixo. Bom proveito!

As sete cidades do Apocalipse

Ap 2,18-29 Tiatira:

Cidade menor, sem importância administrativa, Tiatira ficava a meio caminho da estrada entre Pérgamo e Sardes. Originou-se de uma colônia militar vinda da Macedônia na Grécia. Tiatira era um centro comercial e industrial. Seu principal produto eram os tecidos. Por isso mesmo a cidade era cheia de associações de tecelões, tintureiros e alfaiates. Havia também indústria de metais, como ferro e bronze. A principal divindade da cidade era Apolo, o deus-sol. Como as outras cidades, Tiatira tinha os seus cultos imperiais.

Não se sabe como começou a comunidade cristã em Tiatira. Provavelmente, começou com os comerciantes ou os tecelões. Lídia, a coordenadora da comunidade de Filipos, era uma comerciante de púrpura de Tiatira (At 16,14).

Jesus é apresentado com dois aspectos: 1) a perspicácia que percebe e discerne tudo e 2) a firmeza que não cede. Eram os dois aspectos que a comunidade estava precisando.

Apesar das várias qualidades positivas da comunidade (Amor, fé, serviço, perseverança), há pontos negativos: a comunidade não reage diante de um grupo dissidente, liderado por uma mulher apelidada de Jezabel. Esse nome lembra a esposa do rei Acab, que no passado tentava desviar o povo de Israel para a idolatria, e perseguiu o profeta Elias (cf 1Rs 16,31-32. 19,1-8).

O desvio do grupo de Jezabel é muito provavelmente pela infiltração da ideologia do Império nas comunidades, que deve ter causado muita confusão e crise. João exige que todas as comunidades tomem uma posição.

Jesus não dá um aviso específico para a comunidade, apenas insiste que ela continue firme na sua conduta boa que já vêm seguindo.

Em todas as cartas sempre há uma promessa ao vencedor, porém somente aqui, é que Jesus explica o que é ser vencedor, ser vencedor é aquele que observa a conduta de Jesus até o fim. A conduta de Jesus é passar pela cruz, pela resistência contra a ideologia dominante. O vencedor ainda recebe a estrela da manhã. No final do livro do Ap Jesus se declarara como a estrela da manhã (22,16).

Ap, 3,1-6 Sardes

Importante centro da Antiguidade, Sardes vivia mergulhada num saudosismo das glórias passadas. Vários séculos antes, tinha sido capital do reino da Lídia. Depois de conquistada pelos persas no Século V a C, a cidade perdeu sua importância. Até 188 a C pertenceu aos reis Selêucidas. Depois foi conquistada pelo rei de Pérgamo, que a legou ao Império romano em 133 a C. Sardes era um importante centro produtor de tecidos de lã, com desenvolvida indústria têxtil e muitas corporações de trabalhadores. A cidade foi destruída por um terremoto em 17 d.C. e reconstruída pelo imperador Tibério. Por isso, desde então, ela adotou o culto imperial com um templo dedicado ao imperador.

Em Sardes havia a mais antiga colônia de judeus na Diáspora. Foi em Sardes que os judeus conquistaram vários de seus direitos na convivência com a pólis grega. Não se sabe quando surgiu a comunidade cristã em Sardes. Ao que parece, como a própria cidade, também a comunidade vivia de saudades. Só olhava o passado e descuidava do presente.

Na maneira como Jesus se apresenta na comunidade fica acentuada dois aspectos: 1) Jesus “segura as sete estrelas”: significa a sua presença junto às coordenadoras e coordenadores da comunidade. 2) a plenitude de Deus: “Ele tem sete espíritos”. O sentido desses dois aspectos demonstra o que a comunidade estava mais precisando.

Ao acusar a comunidade com severidade: “Tens fama de estar viva, mas estás morta.” nos faz lembrar da Carta de Tiago “Fé sem obras é morta” (Tg 2,17). Não há nada de positivo na comunidade. O problema, com a comunidade, não é político, nem ideológico, não há conflito com judeus, nem com o Império, mas um engano trágico dos membros da comunidade. Ela pensa que é muito significativa, mas não é nada, é só fachada. Pode ser fruto do cansaço, mas também pode ser uma compreensão errada de Deus e da Boa Nova.

O aviso é de que a comunidade deve tornar-se vigilante, não deixar morrer o resto que ainda está vivo, lembrar e observar o início da comunidade; para que a lembrança do entusiasmo inicial a ajude a animar-se novamente. Pois quem esquece a sua origem perde a identidade e se perde. Olhando bem no espelho do seu passado, a comunidade quase morta encontrará motivo de renascimento e de conversão. O pequeno grupo que não sujou as vestes e usa veste branca é sinal de vitória.

A promessa ao vencedor lembra Mt 10,32; nas entrelinhas desta promessa sugerem que, na hora de dar testemunho, a comunidade de Sardes falhava e não tinha coragem de declarar-se publicamente por Jesus.

Ap 3,7-13 Filadélfia

Filadélfia era uma pequena cidade na estrada que ligava Sardes a Colossas. Foi chamada assim por causa do fundador Átalo Filadelfo, rei de Pérgamo, por volta de 140 a C. Juntamente com Pérgamo, a cidade passou para o poder romano em 133 a C. Situada numa fértil planície, a cidade era importante centro agrícola, fornecendo produtos para várias outras cidades. Mas como a região era vulcânica, a cidade havia sido destruída várias vezes por terremotos. Não tinha nenhuma importância militar ou administrativa. Em Filadélfia, como outras cidades gregas, haviam muitos templos dedicados aos deuses do Império e aos imperadores divinizados, como Tibério e Calígula. Era uma cidade bajuladora que, ao longo de sua história, mudou várias vezes de nome só para agradar aos imperadores romanos. Além de Filadélfia, chegou a chamar-se Neo-Cesareia e Flávia. O maior templo de Filadélfia era a Jano, divindade romana, era ele quem decidia se o ano seria de paz ou de guerra. Quando havia paz, os romanos mandavam fechar as portas do templo de Jano.

Não se sabe a origem nem sobre a história e o modo de viver da comunidade cristã de Filadélfia. Apenas o nome, aliás muito bonito: Filadélfia significa amar (filo) os irmãos (adelphos). Na realidade, por trás deste nome, existe a vida de muitas pessoas, conhecidas e amadas por Deus.

Na maneira de apresentar Jesus se destacam duas coisas interligas entre si: 1) a coerência e a fidelidade pois Jesus é o Santo Verdadeiro, 2) o poder sobre a vida e a morte: Jesus tem a chave e o controle total da porta da morada dos mortos (cf Is 22,22). A comunidade de Filadélfia é fraca (3,8), por isso João acentua o poder e a fidelidade de Jesus que sustenta a comunidade.

A comunidade, apesar da pouca força, continuou fiel (3,8-9). A carta não aponta nela nenhum defeito. Por ela ser fraca, Jesus a defende, abrindo diante dela “uma porta que ninguém poderá fechar”. É a porta da morada dos mortos que dá acesso à vida (1,18). A comunidade já tem vida garantida; por sua fidelidade ao Evangelho, os mais fracos são vitoriosos sobre a força mais forte que é a morte.

Havia o conflito entre os dois irmãos, judeus fariseus e judeus cristãos, ambos pretendendo ser o judeu verdadeiro. O que interessa a João, aqui na carta, não é ganhar a briga contra os dois irmãos judeus, mas, sim, levar a comunidade cristã a viver de tal modo que os judeus fariseus, vendo a vida da comunidade cristã, fossem levados a reconhecer: “Deus te ama”. Se a vida da comunidade for um verdadeiro reflexo do amor de Deus, os outros talvez reconheçam e se convertam para Deus. A frase “Deus te ama” evoca o texto de Is 43,4.

Fiel à sua promessa, Jesus protegerá a comunidade de Filadélfia que guardou a Palavra e que, contrariamente à comunidade de Sardes, teve coragem de declarar-se publicamente a favor de Jesus (10,11).

A comunidade não precisa ter medo, apesar da “tentação que virá para o mundo inteiro”, ela já está protegida. Diante dela já está aberta a porta da vida que ninguém neste mundo conseguirá fechar. O que a comunidade deve fazer, apesar da sua pouca força, é continuar a resistir, não desanimar. O único conselho que João dá é: “Venho logo! Segura com firmeza o que tens, para que ninguém tome a tua coroa”.

A coluna como prêmio remete as duas colunas Jaquim e Booz, que Salomão tinha colocado no templo, conhecidas e admiradas por sua beleza (1Rs 7,15-22). Este templo de Deus, de que fala a promessa ao vencedor, é o próprio Jesus, pois na Nova Jerusalém não haverá templo. Deus e Jesus serão o seu templo (Ap 21,22; Jo 2,21).

Ap 3,14: Laodicéia

Cidade importante da região da Frígia na Ásia Menor, Laodicéia ficava a meio caminho entre Colossas e Hierápolis. A região da Frígia, devido às águas termais de origem vulcânica, destacava-se como centro medicinal com médicos famosos e como produtora de pomadas para o ouvido e para os olhos, chamada kolyrion.

Laodicéia foi fundada em 250 a C por Antíoco II, rei de Antioquia. O povo de Laodicéia vivia da indústria de um tecido especial, feito de lã preta, muito procurado pelo comércio da época. Situada num entroncamento de estradas, a cidade tornou-se o centro comercial da região e, consequentemente, um centro bancário importante. A riqueza da cidade aparece nas inúmeras festas promovidas pela prefeitura. Tudo isso fez de Laodicéia uma cidade bastante auto suficiente.

A comunidade judaica de Laodicéia nasceu de uma migração forçada. Por volta do ano 189 a C, querendo reforçar suas defesas, o rei Antíoco III transferiu para lá cerca de duas mil famílias da Judéia. Esta colônia lutou muito para ter seus direitos reconhecidos pela cidade. Isto aconteceu por intervenção direta dos romanos em 45 a C, durante o governo de Júlio César (48 a 44 aC). Não se sabe quando surgiu a comunidade cristã na cidade de Laodicéia. É possível que tenha sido por meio de um companheiro de Paulo, chamado Epafras (Cl 2,1; 4,12-13). Sabe-se que Paulo chegou a escrever uma carta para eles (Cl 4,15-16), que se perdeu.

Jesus se apresenta com dois aspectos acentuados que a comunidade está precisando: 1) a fidelidade e a coerência com a verdade professada. Jesus é o “Amém” e a “Testemunha fiel e verdadeira”; 2): a novidade criadora de Deus, presente em Jesus: ele é chamado “o princípio da criação de Deus”.

A carta não relata nenhum ponto positivo na vida da comunidade. Os defeitos são vários, mas duas chamam a atenção: 1) não é fria nem quente; 2) ela se diz rica e auto suficiente, quando na realidade é miserável, pobre, cega e nua. A comunidade aderiu ao sistema do Império que lhe garantia a riqueza, assim ela não se define plenamente a Jesus, é morna, com relação a Ele. Mesmo sendo rica em dinheiro e posses, a comunidade é infeliz, pobre e miserável. Mesmo vivendo no lugar onde se produzia o colírio, ela é cega e não enxerga. Mesmo estando num grande centro têxtil, a comunidade está nua.

Os conselhos para a comunidade são carregados de carinho, apesar de receber o julgamento mais severo: 1) Jesus aconselha a comprar o ouro verdadeiro dele, roupa para cobrir a nudez e colírio para poder enxergar (3,18); 2) O pai repreende porque ama; 3) imagem do peregrino que bate à porta e pede hospedagem.

A promessa ao vencedor é poder sentar-se no trono com Jesus. Esta imagem evoca novamente a vitória de Jesus sobre a morte. A imagem do Trono nos prepara para a solene visão do Trono de Deus que segue no capítulo 4.

Síntese das informações sobre a situação das comunidades

Fazia cinquenta anos ou mais que eles vinham caminhando desde a sua fundação. O cansaço ia tomando conta de muitos (2,20). Havia a diminuição do primeiro fervor (2,4). Algumas comunidades pareciam estar muito vivas e ativas, mas por dentro já estavam mortas (3,1). Outras, vencidas pela rotina, já não eram nem fria nem quente (3,15-16). A falta de horizonte e a perseguição aumentavam o cansaço (6,10). Apesar do esforço e da boa vontade, os problemas, em vez de diminuírem, aumentavam sempre mais, e o resultado obtido era tão pouco!

Abaixo sete fatores que influenciaram na vida das comunidades, provocando nelas os problemas:

  1. Perseguição;
  2. Falsas lideranças;
  3. Falsas doutrinas;
  4. Infiltração;
  5. Conflitos sociais;
  6. Conflito com os judeus;
  7. Cansaço.

Referências
AUTORIA COLETIVA. Evangelho de São João e Apocalipse, roteiros para reflexão IX. São Leopoldo: CEBI – Centro de Estudos Bíblicos. São Paulo: Paulus, 2000.
BÍBLIA DE JERUSALÉM. São Paulo: Paulus, 2010.
BÍBLIA DO PEREGRINO. 2ª Ed. São Paulo: Paulus, 2006.
BORTOLINI, José. Como ler o Apocalipse – Resistir e Denunciar. 8ª Ed.São Paulo: Paulus, 2008.
BROWN, Raymond E. Introdução ao Novo Testamento. 2ª Ed. São Paulo: Paulinas, 2012.
CORSINI, Eugênio. O Apocalipse de São João. São Paulo: Paulinas, 1984.
FITZMEYR, Joseph A.; MURPHY, Roland E; BROWN, Raymond E. (Orgs.) Novo Comentário Bíblico São Jeronimo: Novo Testamento e Artigos Sistemáticos. Santo André: Academia Cristã; São Paulo: Paulus, 2011.
MESTERS, Carlos. OROFINO, Francisco. Apocalipse. 2ª Ed. São Paulo: Fonte editorial; Aparecida: Santuário, 2013. TUÑI, Joseph-Oriol. XAVIER; Alegre. Escritos Joaninos e cartas católicas. 2ª Ed. São Paulo: Ave Maria, 2007.

Separamos outros artigos que talvez possa interessar

2 respostas em “O Livro do Apocalipse (Pt 4)”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.